Adotar um cão ou um gato: o que você não pode deixar de saber

cão e gato

Adotar um cão ou um gato é, sem dúvidas, uma das experiência mais fascinantes e gratificantes que uma pessoa pode ter na vida. Porém, não podemos esquecer que nem só de momentos felizes viverá quem faz essa escolha.

Porém, há, sobretudo, uma responsabilidade enorme para quem deseja ter um animalzinho em casa e é preciso antes de qualquer coisa que nos façamos as seguintes perguntas:

1 – Estou disposto a cuidar do meu Pet por toda sua vida, sabendo que ele viverá muitos anos, ou estou apenas passando por um momento de carência e quero suprir este sentimento até melhorar?

        •        Animais não são brinquedos ou remédios que usamos enquanto queremos e/ou precisamos e depois deixamos de lado. Eles também têm sentimentos, se apegam às pessoas e ao ambiente onde vivem. Alguns viverão por vários anos e é importante saber que quanto mais velhinhos ficarem mais cuidados necessitarão.

2- Minha família e minha casa estão prontas para receber um novo morador?

        •        Se você não mora sozinho é importante conversar com todos os membros da família antes dessa decisão  e saber se precisa fazer alguma adaptação em casa antes de recebê-lo. Como exemplo, telar todas as janelas quando se trata de gatinhos, principalmente se você mora em apartamento.

3- Estou disposto e preparado para assumir os custos financeiros?

        •        Não podemos esquecer que alguns custos são inerentes à essa escolha. Gastos com veterinário, vacinas, medicamentos e alimentação deverão ser bem calculados e colocados no orçamento familiar.

4- Qual seria a melhor espécie e/ou raça?

        •        Essa é uma questão muito particular. Sabemos que cães de maneira geral demandam um pouco mais de espaço e tempo que gatos, o que não quer dizer que um gato poderá passar todo o dia só e sem atenção. Existem raças que por serem de maior porte requerem uma área igualmente maior em tamanh, bem como aquelas que são mais hiperativas e necessitarão de passeios e brincadeiras com maior frequência e tempo. Portanto, é importante quanto a essa questão saber qual o perfil da sua família e qual seria o animalzinho mais recomendado.

5- Os animais SRD (sem raça definida) são mais dóceis e resistentes que os de raça?

        •        Na verdade isso é um grande mito. É claro que algumas raças podem ser mais predispostas a determinadas doenças do que outras, o que não quer dizer que um animalzinho “vira-lata” também não possa adoecer de todas as enfermidades que as demais raças são acometidas. Sendo assim, eles necessitarão de vacinas e cuidados tanto quanto as outras.

        •        Quanto a docilidade devemos saber que, com relação aos cães, existem raças de guarda, trabalho, companhia, etc e que essas características farão parte da natureza do animal. Porém, a forma com que você o criará será determinante para imprimir nele a sua “personalidade”.

O que faz dos “viras latas” animais mais dóceis na maioria das vezes é o fato de muitos terem vindo da rua e passado por momentos difíceis como privação de alimento e maus tratos. Então quando encontram alguém que lhe dê amor e carinho eles demonstram uma grande gratidão e confiança naquela pessoa e retribuem isso de forma inimaginável.

6- Qual a procedência?

        •        Infelizmente sabemos que muitos animaizinhos são explorados apenas como reprodutores para que lucrem com a venda de seus filhotes, vivendo em condições muitas vezes deploráveis. Se você optar por comprar o seu filhote, busque sempre  um estabelecimento ou criador sério e certifique-se de que o local possui todas as certificações e adota as práticas de bem-estar animal.

        •        As feiras de adoção ou abrigos de animais abandonados são ótimas opções. Lá geralmente os animais já são castrados.

        •        Resgatar um Pet direto das ruas também é uma opção além de ser um ato de solidariedade. Porém, é preciso ter muito cuidado com a possibilidade dele ter parasitas e doenças que possam ser transmitidas para outros animais ou até mesmo para as pessoas.

Contudo, mesmo observando todos esses cuidados, é necessário sempre que adquirir um novo animalzinho levá-lo ao veterinário para que seja feita uma avaliação mais detalhada e certifique que ele está de fato saudável ou se requer algum cuidado adicional. Isto porque, muitas vezes, mesmo parecendo bem podem estar ocorrendo doenças silenciosas que colocarão em risco a saúde dele ou até mesmo a sua.

Agora é só fazer sua escolha, com cautela e responsabilidade, e desfrutar de todo amor e carinho que essas criaturinhas têm a nos dar.

Allysson de Sá

Médico Veterinário

CRMV-PE 3540

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *